2014/02/28

«As (im) possibilidades da aplicação da teoria da desconsideração da personalidade jurídica no âmbito das execuções fiscais»



Ricardo de Amorim Quevedo
«As (im) possibilidades da aplicação da teoria da desconsideração da personalidade jurídica no âmbito das execuções fiscais»
Unijuí (Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul) - Biblioteca Digital: Teses, Dissertações e Monografias (Ijuí (Rio Grande do Sul). Brasil)




Este artículo podría describirse como una exhortación dirigida a las pymes, incluidas pymes empresas individuales, a profesionalizar su estatus jurídico y adquirir entidad propia. El autor dedica especial atención a la que sería la fórmula mayoritaria, la sociedad limitada, a la vez que abunda en los beneficios de la seguridad jurídica para las empresas y del crecimiento económico que esto puede impulsar en el conjunto de la economía del país.












2014/02/26

«Análise econômica das sociedades limitadas: imprescindível reflexão»



Henrique Avelino Lana, Eduardo Goulart Pimenta
«Análise econômica das sociedades limitadas: imprescindível reflexão»
Em tempo, Vol. 12, 2013 (Marília. Brasil)



Un acercamiento general a la que, a juicio de los autores, es una forma societaria que debe incentivarse en todo el mundo, no solo en Brasil, por sus evidentes ventajas y beneficios en términos de desarrollo económico para sus socios.












2014/02/25

«Venture capital, sociedades anônimas e inovação: as falhas do direito societário brasileiro»



Marcelo Godke Veiga
«Venture capital, sociedades anônimas e inovação: as falhas do direito societário brasileiro»
Revista Comercialista. Direito Comercial e Econômico, Año II, Vol. 8, 2º Trimestre de 2013, págs. 17-23 (São Paulo, Brasil)



Burocracia para una empresa, sea cual sea su tamaño, desde individual a multinacional, significa coste económico y tiempo, además de coste o desgaste emocional. Este artículo incide en la situación de los emprendedores o empresarios principiantes en Brasil, específicamente de start ups. El autor comienza apoyándose en que los emprendedores son motor de la economía del país para pasar a mostrar que la normativa actual les aboca a la inconveniente forma de sociedad anónima y concluir reivindicando la creación de una sociedad anónima simplificada, si es que no fuera posible dar ancho campo para optar por la sociedad limitada, que es la forma que el autor considera apropiada.












2014/02/24

Coleção de postagens sobre inovação de 18 a 21 de fevereiro



Biodesign

Marija Bojovic, «Behind “Hy-Fi”: The Organic, Compostable Tower That Won MoMA PS1′s Young Architects Program 2014»

Jyoti Pande Lavakare, «How Stanford-India Biodesign's programme is revolutionizing medical device innovation»

Jason Torchinsky, «What The Hell Is That Ugly RV Thing At The Olympics?»

Claire O'Connell, «Bioinnovate puts the user at the centre of med-tech innovation»



Estigmergia de robots Termes Harvard

Josep Corbella, «Robots que no obedecen a nadie cooperan entre ellos»

Alejandro Serrano, «Harvard inventa un equipo autónomo de construcción robótico»

La Nación, «Las termitas inspiran a los robots del futuro»

Matías Benítez, «Robots “termitas” construyen castillos de forma autónoma»



Invention

Dominique Vian, «Innovation : attention à ne pas confondre avec “invention”»

Léonce Gamaï, «Beaune : créativité et innovation explosive à l’initiative d’Hervé Voirin»

Arnaud Lefebvre, «8 petits malheurs qui sont entrés dans l'histoire comme de brillantes inventions»

Thérèse Bouveret, «Inventive cultive les idées innovantes de la foule»



Produtividade

Antônio Teodoro, «Produtividade em baixa? Educação!»

Portogente, «Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) inaugura institutos de Inovação e Tecnologia do Senai em Santa Caterina»

Anna Carolina Ro, «Ouça música e aumente sua produtividade»

Marco Prates, «Baixa produtividade do Brasil não é culpa da educação»



Sustentabilidade

Fátima Missionária, «Culturgest acolhe debate sobre cidades sustentáveis»

LOCAL.PT, «RNAE promove roadshow sobre Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental no Setor Empresarial»

iOnline, «Rock In Rio Lisboa é o primeiro festival em Portugal com sustentabilidade certificada»

LOCAL.PT, «Famalicão quer integrar Rede de Cidades Inteligentes»





2014/02/21

«Baixa produtividade do Brasil não é culpa da educação»



Marco Prates
«Baixa produtividade do Brasil não é culpa da educação»
Exame (São Paulo. Brasil)




Diversas iniciativas recientes han puesto de manifiesto el impulso que Brasil desea dar a la educación en todos sus niveles con el fin de apuntalar y obtener un desarrollo de su economía. Sin embargo, meses atrás, el profesor de Princeton Dani Rodrik sostenía que Brasil no debe dar prioridad a la educación, sino al comercio, en este momento. Y esto porque, consigna este artículo, este sector es más productivo y debe absorber mano de obra que actualmente está dedicada a sectores menos productivos.












2014/02/20

«Ouça música e aumente sua produtividade»



Anna Carolina Rodrigues
«Ouça música e aumente sua produtividade»
Exame (São Paulo. Brasil)




Este artículo propone administrar la escucha de música como estímulo de la productividad. Recalca la conveniencia de recurrir a melodías conocidas, así como el beneficio de la música en cuanto a rebajar la tensión de dedicar una atención desmedida o con escasa perspectiva al trabajo.












2014/02/19

«Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) inaugura institutos de Inovação e Tecnologia do Senai em Santa Caterina»




«Fiesc inaugura institutos de Inovação e Tecnologia
do Senai em SC»

Portogente (Porto de Santos. Brasil)




Una colaboración cercana entre la empresa y las entidades educativas es el camino que sigue la Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) para impulsar la innovación, ahora con la creación de dos nuevos centros que tienen como bandera la innovación y la tecnología. Ambos centros quieren materializar un apoyo institucional a la creatividad y el conocimiento de los trabajadores brasileños, en quienes la industria confía para ser más productiva y competitiva.












2014/02/18

«Produtividade em baixa? Educação!»




Antônio Teodoro
«Produtividade em baixa? Educação!»
Brasil 247 (São Paulo. Brasil)



Educación para llegar a la meta de una mayor productividad es el titular y leit-motiv de este artículo, que hace coro a una reciente declaración de la presidenta Rousseff y propone invertir en los trabajadores como camino de desarrollo económico.












2014/02/17

Coleção de postagens sobre inovação de 11 a 14 de fevereiro



Alianza del Pacífico

Semana, «Las promesas de la VIII Cumbre del Pacífico»

América Economía, «Mercosur busca acelerar su integración con Alianza del Pacífico»

Andina (Agencia Peruana de Noticias), «Alianza del Pacífico es instrumento de inclusión social»

ICN Diario, «Santos: “La Alianza del Pacífico encendió el motor del desarrollo y la prosperidad en América Latina”»



Food Security

Munu Martin Luther, «Innovation can solve food security problems»

Zawya, «“Food security an immediate priority for GCC” says UAE Minister Of Water & Environment»

Pranjal Sharma, «Feeding Food Security»

EurActiv, «Milan's 2015 World Expo aims to spur food security debate»



Indústria

EBC (Empresa Brasil de Comunicação), «Indústria: bate-papo debate os rumos da inovação no Brasil»

Novo Jornal, «Angola e Brasil vão assinar acordo de cooperação industrial»

Átila Varela, «Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) elencou 42 competências para o desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica»

Marcelo Roma, «Pesquisas finalizadas no Parque Tecnológico de Sorocaba rendem as primeiras patentes»



PME e mercado digital

Jornal Diario, «Criação do Programa PME Digital, incluído na Agenda Digital e Tecnológica dos Açores»

Programa Operacional Temático Factores de Competitividade (COMPETE), «Horizonte 2020 explicado às PME»

PME Digital, «A Internet é hoje parte integrante das nossas vidas»

Ana Margarida Pinheiro, «QREN: Quanto vale e como receber»



Secteur Public

Philippe Parmantier, «“Re/acteur public” un projet pour “booster” l'innovation territoriale»

Léonce Gamaï, «“Agenda 2063” : Le rêve de Dlamini Zuma pour l’Afrique dans cinquante ans»

Hakim Bahechar, «IBM inaugure un nouveau centre d’innovation au Maroc»

IIAS Knowledge Portal on Public Administration, «Innovation in the Public Sector – Interview of Mrs Françoise Waintrop»





2014/02/14

«Pesquisas finalizadas no Parque Tecnológico de Sorocaba rendem as primeiras patentes»



Marcelo Roma
«Pesquisas finalizadas no Parque Tecnológico de Sorocaba
rendem as primeiras patentes»

Cruzeiro do Sul (Sorocaba. Brasil)




El número de patentes es convencionalmente uno de los índices que se toman en cuenta para conocer la actividad innovadora de una entidad. Casi siempre hacen referencia a productos, como refleja este artículo, donde se destaca especialmente la innovación farmacéutica. Más allá del producto, está el reto de su comercialización y, de puertas adentro en la entidad que registra la patente, un nuevo producto puede ser un fruto no solo de la actividad, sino también de una organización eficazmente innovadora.












2014/02/13

«Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) elencou 42 competências para o desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica»



Átila Varela
«Fiec identifica competências para inovação»
O Povo (Fortaleza. Brasil)




Si hiciéramos un estudio de campo de lo que queremos decir cuando decimos «innovación», las industrias brasileñas que dan materia a este artículo de hoy dirían «no cerrar» y creen que para conseguirlo deben ser más productivas y competitivas; buscan formas de conseguirlo y a esto lo llaman innovar. Por eso están dispuestas a escuchar las 42 competencias de las que les habla la FIEC.












2014/02/12

«Angola e Brasil vão assinar acordo de cooperação industrial»



«Angola e Brasil vão assinar acordo de cooperação industrial»
Novo Jornal (Luanda. Angola)
Foto: Ministério da Indústria de Angola




Un nuevo acuerdo Angola-Brasil en materia de Industria, en el seno de una relación bilateral que suma décadas. En esta ocasión se pretende configurar un marco normativo entre Brasil y el país africano hermano en idioma Angola, se expone en este artículo; el objetivo es abrir camino a iniciativas conjuntas que refuercen los respectivos sectores industriales. Para llevarlo a cabo la ministra de Industria de Angola se ha reunido con una comitiva de representantes de la Administración y el empresariado de Brasil.












2014/02/11

«Indústria: bate-papo debate os rumos da inovação no Brasil»



«Indústria: bate-papo debate os rumos da inovação no Brasil»
EBC - Empresa Brasil de Comunicação (Brasília. Brasil)
Foto: CNI (Novo Portal da Indústria Brasileira)



Un horizonte constante en la industria de Brasil; posicionarse como la más innovadora. De nuevo será objeto de debate en el primer debate virtual de este año, promovido por la Confederação Nacional da Indústria (CNI). Este artículo sirve como tarjeta de presentación del debate y de sus ponentes: Pedro Wongtschowski, Luiz Antonio Elias, Rafael Lucchesi y Mariana Carneiro.












2014/02/10

Coleção de postagens sobre inovação de 4 a 7 de fevereiro



Ana Brasil com Joana Bourgard, «Leitão à Bairrada pelo chef Ricardo Costa. O chef do The Yeatman executa a sua interpretação de um dos mais famosos pratos portugueses»


Camilo Rocha, «Evernote quer manter espírito de startup»


Correio do Estado, «Fim da neutralidade da internet põe em risco a inovação»


Expresso, «Três estadistas africanos avisam que inovação no continente só chegará com democracia total»


Globalquality Consulting, «El turismo bate records, ¿y la innovación turística?»


ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis, «Gerente executivo do ICom (Instituto Comunitário Grande Florianópolis) fala sobre gestão de ONGs, apoio a investidores sociais e inovação social»


Isabelle Hennebelle, «Rebondir avec l’innovation frugale»


João Varella, «Transparência Já»


Julián Domínguez Rivera, «Prioridad a la innovación»


Mike Masnick, «Innovation Asymmetry: Why The Copyright Industry Always Freaks Out About New Technologies»


Notícias ao Minuto, «Primeiro-Ministro Cabo Verde propõe cimeira africana sobre inovação»


OECD, «National Intellectual Property Systems, Innovation and Economic Development with perspectives on Colombia and Indonesia»


Paco Corma, «Innovación basada en nuevos conocimientos»


Rosemary L. Ripley, «Innovate like a startup: what big brands can learn from small companies. Lessons from the beer and soda industries on why the survival of big brands depends on innovation»


Rural Agri-Innovation Network (RAIN), «The Rural Agri-Innovation Network (RAIN) today announced the upcoming RAIN Symposium February 7th & 8th in Bruce Mines, Ontario»


Ruth Simón Fermosell, «Nuevo centro de innovación en el Caribe para promover los negocios verdes y las energías renovables»


Sandra Cunha, «Afinal para que queremos a Ciência?»


Solène Méric, «L’innovation en viticulture: le triple défi de la compétitivité économique, environnementale et qualitative»


Up Conferences, «Navi Radjou: “Convertir l’adversité en opportunité et faire mieux avec moins de ressources”»


VotreArgent, «Estée Lauder: un nouveau directeur de l’innovation»






2014/02/07

«Fim da neutralidade da internet põe em risco a inovação»



Internet sin neutralidad es como un canal de televisión de pago, explican los activistas de Internet libre. Este artículo presta atención a algunas de sus propuestas principales.




«Fim da neutralidade da internet põe em risco a inovação»

«A internet sem neutralidade funcionaria de forma similar a uma TV a cabo, na qual o pacote de programação comprado filtra o que pode ou não ser visto. É assim que ativistas da internet livre explicam a existência de uma rede com acesso controlado, formato que pode passar a existir no país com a aprovação do Marco Civil da Internet, em pauta no Congresso Nacional. O tema, que é um dos impasses para a aprovação do projeto, foi debatido ontem (31) no quinto dia da Campus Party.

»“A neutralidade da rede é o princípio que preserva a essência do que é a internet. Questões políticas, culturais, religiosas, financeiras não podem fazer com que determinado tráfego seja privilegiado em detrimento de outro. Todos são iguais perante a rede”, defendeu Carlos Affonso Pereira de Souza, doutor em Direito Civil e diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade.

»O publicitário João Carlos Caribé, ativista pela inclusão digital, avalia que, caso não seja garantida a neutralidade da internet, estará sendo criado algo diferente, que não é a internet como conhecemos. “É um princípio basilar. Vamos ter outra coisa, uma rede privada”, declarou. Eles apostam na internet como uma plataforma de propósito geral, de acesso e produção livre a todo usuário.

»Carlos Affonso acredita que a inovação na rede pode ser uma das características da internet mais afetadas com a limitação. “Gera-se uma barreira econômica para que novos empreendimentos possam se estabelecer. Estamos cada vez mais empurrados para um quartinho murado na internet”, comparou. Ele explica que, em um quadro de ausência de neutralidade, somente empresas estabelecidas teriam uma condições de pagar aos provedores para trafegar com maior velocidade.

»De acordo com os ativistas, os provedores iriam atuar como porteiros do que pode ou não ser visto na internet. Daí a similaridade com a TV a Cabo. A cada faixa de plano de internet, o usuário acessaria determinado tipo de conteúdo, como redes sociais, ouvir músicas, utilizar e-mail, buscador, entre outros. Empresários do setor, por outro lado, criticam a possibilidade do item prejudicar os negócios e inviabilizar a venda de pacotes por diferentes velocidades.

»Caribé lembra que a internet livre proporciona um debate aberto e amplo da sociedade, sem precisar de intermediários. “Isso é uma ameaça para o poder político, financeiro, para a indústria cultural”, destacou. Durante o debate, lembrou-se muitas páginas de divulgação dos protestos de junho no país foram apagadas das redes sociais.»



Correio do Estado







2014/02/06

«Evernote quer manter espírito de startup»



¿Después de cuánto tiempo una start-up deja de ser una start-up?, es la primera pregunta de esta entrevista a Ken Gullicksen, un emprendedor veterano del Valle del Silicio. Se ha hecho durante el Campus Party de São Paulo y en breve espacio aborda temas como la innovación, la juventud perenne del emprendedor y la evolución de la cultura de negocios del Valle.




«Evernote quer manter espírito de startup»

«Avaliada em US$ 1 bilhão, empresa responsável pelo popular aplicativo de produtividade acredita em se manter fiel às origens; assista trecho de entrevista.

»Com quantos anos uma empresa deixa de ser chamada de “startup”? Se depender da norte-americana Evernote, só depois de 100 anos. O conceito foi criado pelo presidente da Evernote, Phil Libin. Na sétima edição da Campus Party, que terminou sábado em São Paulo, o diretor de operações da empresa e investidor veterano do Vale do Silício, Ken Gullicksen, subiu ao palco para defender a ideia.

»A Evernote tem cinco anos. Nesse meio tempo, seu aplicativo de produtividade bateu a marca de 80 milhões de usuários (sendo dois milhões no Brasil). Com recursos de organização de arquivos de todo o tipo, virou um sucesso entre executivos.

»A empresa foi avaliada em US$ 1 bilhão e tem dez escritórios pelo mundo, com um total de 340 funcionários. Gullicksen conversou com o Link durante o evento.


»Por que é importante manter a cabeça de startup mesmo depois de crescer?

»Quando éramos pequenos e tínhamos uma salinha, todo mundo participava de tudo o que acontecia. Isso traz agilidade e inovação. É uma coisa muito poderosa que as startups tem. Queremos construir a companhia de modo a manter isso, tanto o ambiente como esse poder.


»Em termos práticos, como conseguem manter esse clima?

»Trabalhamos com pequenas equipes independentes. Os caras que programam para Android são totalmente diferentes dos caras que programam para iPhone. Não têm o mesmo cronograma, não precisam manter a mesma entrega de resultados. Com isso, temos equipes bem pequenas, nenhuma com mais de dez pessoas e muitas com bem menos.


»De onde vem o faturamento da Evernote?

»Cerca de 90% das nossas receitas vêm das versões pagas do nosso aplicativo. A receita não vem de propaganda ou de monetização dos dados. Queremos que as pessoas confiem em nós. A integridade e a privacidade dos dados do usuário são muito importantes.


»Existe uma corrida no Vale do Silício para descobrir a próxima grande startup. Para alguns analistas, isso vem valorizando exageradamente algumas empresas e há quem fale em bolha. Qual a sua opinião?

»Não vejo como uma bolha. Há certamente empresas com valorização exagerada quando abrem o capital. Mas toda essa atividade é para mim muito mais uma indicação do alto nível de inovação que vem ocorrendo. Fundamentalmente, vejo essa valorização como sinal muito positivo. Cada nova geração de grandes empresas torna o mercado muitas vezes maior do que antes. Há 20 anos, a tecnologia mirava um mercado muito menor do que hoje. Hoje em dia, as tecnologias para o consumidor atingem a maior parte da população mundial.


»A cultura de negócios do Vale do Silício mudou muito em vinte anos?

»Muito. A principal mudança em termos de clima de investimento e empreendedorismo é que está tudo muito mais democratizado. A comunidade do capital de risco não é mais a força dominante. As fontes de investimento se diversificaram e o empreendedor tem todo o poder. As barreiras de entrada ficaram bem mais fáceis, o custo de desenvolvimento de produto, da tecnologia e da distribuição são 100 vezes menores do que há meros dez anos. É muito fácil começar hoje. Na outra ponta, porém, a barreira para o quão bom você precisa ser ficou bem mais alta.»



Link Estadão, O caderno de tecnologia e cultura digital do jornal O Estado de S. Paulo, Camilo Rocha. Foto: Tiago Queiroz/Estadão







2014/02/05

«Gerente executivo do ICom (Instituto Comunitário Grande Florianópolis) fala sobre gestão de ONGs, apoio a investidores sociais e inovação social»



ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis, organización comunitaria de desarrollo social en Brasil, viene por segunda vez al blog; esta vez con una entrevista en televisión a su director ejecutivo, compartida en su canal en YouTube. El eje temático es la innovación social, como puede suponerse.




«Gerente executivo do ICom (Instituto Comunitário Grande Florianópolis) fala sobre gestão de ONGs, apoio a investidores sociais e inovação social»


«Em entrevista para o programa Olhares, da Band-SC, o gerente executivo do ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis, Anderson Giovani fala sobre a atuação da fundação comunitária no desenvolvimento institucional de ONGs, no apoio a investidores sociais e projetos de inovação social.»



ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis en YouTube







2014/02/04

«Transparência Já»



El horizonte de esta innovación es el razonamiento de que la creatividad y la imaginación surgen por amor a algo más que al salario, y no se puede amar un trabajo que se realiza en una empresa obsesionado por que sus empleados no cuenten absolutamente nada de su trabajo fuera de él.




«Transparência Já»

«Uma das maiores qualidades contemporâneas é a transparência. Essencial no setor público, não só é desejável como vantajoso em empresas. Na seara pessoal eu não me atrevo adentrar para não ficar fazendo autoajuda — basta uma Eliane Brum no mundo —, mas dependendo da situação é também uma virtude e tanto.

»O governo federal se deu conta disso há pouco. Temo que seja tarde demais. Os vai e vens do dinheiro público na Copa do Mundo é o que está deixando a população brasileira com os nervos à flor da pele. Até as pedras sabem que o País tem outras urgências muito mais importantes que jogos de futebol. Não dá para ficar fazendo graça com o erário. Quer acalmar os protestos, então explique de maneira clara e sem linguagem de órgão público: a Copa é uma boa ou não é?

»Vou fazer de conta que sou ingênuo e desconsiderar o fator eleitoreiro nessa súbita vontade do governo de querer ser transparente. Tenho fé (ou seja, não me baseio em fatos) de que se trata de uma ficha que caiu tardiamente para o bem geral da nação e só.

»O Comitê Organizador das Olimpíadas no Brasil se espertou. Percebeu que a última onda de protestos se deveu à Copa e quer resolver a questão da transparência logo. Divulgou, com atraso épico, o orçamento dos Jogos Olímpicos 2016. Nas redes sociais, o Comitê Organizador promoveu um evento online sobre o assunto. Leonardo Gryner, diretor-geral de operações do comitê Rio 2016, diante de Quintino Gomes, do Diário do Rio, e eu ficamos frente a frente em termos digitais para discutir os gastos do evento. A conversa pode ser vista no vídeo no final da página.

»No campo privado a transparência também faz bem. A IstoÉ Dinheiro desta semana circula com uma matéria que escrevi sobre a B2W Digital, maior empresa de e-commerce do Brasil, dona de sites como Submarino, Americanas.com e Shoptime. A companhia vem enfileirando maus resultados em seus balanços. A recente chegado do fundo Tiger Global é, na prática, a venda de parte da empresa.

»Se fosse para atribuir a uma razão macro para essa patinada geral, diria que é uma falha do velho modelo de administração de Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira. Os três constituem o triunvirato sagrado dos empreendedores brasileiros — são donos da Lojas Americanas (operação física), AB Inbev, Burger King e Heinz. São os empresários brasileiros mais respeitados do mundo.

»Eles sabem lidar com empresas da velha economia. Antes da internet, liderar equipes por meio da “meritocracia” à Lemann, que na prática promove um ambiente de trabalho insalubre, com um colega querendo passar a perna no outro, pode até funcionar a duras penas numa empresa de sistema fordista. Internet não aceita isso. É preciso mais. Criatividade, soluções e inovação surgem com amor à camisa por algo além do salário. Nenhum funcionário da B2W morre de amores pela empresa. Pelo menos, ninguém declara isso publicamente. Agora, a esperança é que a Tiger Global, mais experiente em lidar com tecnologia, injete um pouco de ânimo e modernidade na companhia.

»Isso não significa que todo mundo deve adotar o modelo Google de recursos humanos. As empresas campeãs de tecnologia não são santas. Estimulam a paixão por brindes e adereços tolos com o objetivo ter equipes afiadas e iludidas. O pavor de ter algum bastidor revelado é tanto que essas companhias estimulam que os funcionários só se relacionem entre si.

»Colocam uma venda nos olhos dos funcionários ao ponto dos mesmos não se darem conta da promoção de crueldades bárbaras aos usuários. Não, não é Zuckerberg quem mexe nas letrinhas miúdas dos contratos, tema do artigo da semana passada. São subalternos que fazem isso por ele. Empregados, aliás, que se falarem qualquer coisinha sobre seu ambiente de trabalho são passíveis de demissão. Recomenda-se evitar comentários sobre como foi seu dia com sua esposa\marido caso seu crachá “Facebook”.

»A B2W poderia aproveitar o ambiente criativo brasileiro para criar um novo tipo de estímulo aos seus colaboradores. Sem ilusões, com transparência máxima. Para isso, é preciso ir além das obrigações impostas pela CVM. Sim, é uma empresa que quer lucrar, mas quer algo mais que isso. O que será? Oficialmente, a B2W tem como lema ser “querida”. Com uma administração opaca como a que tem, vai ser difícil. Será eternamente a empresa que estragou o Natal de seus clientes em 2010. Transparência já, para as empresas de Lemann e todas as outras.

»Segue o vídeo sobre os gastos das Olimpíadas, feito com Leonardo Gryner e Quintino Gomes. (Releve alguns erros meus em razão da péssima qualidade de conexão, verdadeira prova da precária infraestrutura do País).»




El Economista América, João Varella







Coleção de postagens sobre inovação de 28 a 31 de janeiro


Charles Bezerra, «Cultura e inovação»


Diário Digital, «Arquiteto britânico Kenneth Frampton vai dar conferências no Porto e em Lisboa»


DirectInfo, «Tunisie – L’Artisanat à Kebili: Problème de commercialisation et manque d’innovation»


EcoPlus TV, «L’innovation sociale au coeur des élections municipales, rencontre avec NKM à La Ruche»


El País, «CPA Innovation convocó a expertos para disertar sobre creatividad»


Eugene Ivanov, «What Dancing Can Teach Us about Innovation»


Gabriela Stripoli, «Líderes de tecnologia pensam inovação de maneira errada, aponta fundador do Twitter. Jack Dorsey critica o uso desmedido dos termos “tecnologia” e “inovação” e dispara que líderes de tecnologia tendem a focar em detalhes, esquecendo-se do macro do negócio»


Globe Small Business, from The Globe and Mail, «Book Excerpt. Shifting your focus to the 'less fun' side of innovation. From Beyond the Idea: How to Execute Innovation in Any Organization by Vijay Govindarajan and Chris Trimble»


Jocelyn Atkinson and Michael Graber, «The Role of Play in Innovation»


Josemil Arruda, «Com proposta de inovação, Showtec 2014 recebe 13 mil pessoas em três dias»


La Voix du Nord, «Un dispositif unique en France: des apprentis recherche pour favoriser l’innovation dans les PME»


LOCAL.PT, «Jornadas Internacionais Online de Educação, Tecnologia e Inovação»


Lourdes Zambrano, «Desairan innovacion empresas de América Latina»


Luis Carlos Valdés de León, «Falta cultura de la innovación en empresarios. En La Laguna no es conceptualizada como una forma de recibir apoyos, ya que la consideran una necesidad que tienen que resolver, cuando instancias federales como ProMéxico y Conacyt, otorgan recursos»


Noticias ao minuto, «Portugueses participam em criação de janela inteligente»


Paula Urien, «Una jornada para instalar la cultura de la innovación. El Banco Galicia implementó un proceso para generar ideas con sus empleados»


Rafael Romer, «Enterprise Precinct and Innovation Campus (EPIC), o hub de inovação que surgiu após um terremoto»


Sid Peimer, «How innovation nearly killed LEGO»


VOA Português, «Cabo Verde acolhe 1.ª Cimeira sobre a Inovação em África»


Yann Gourvennec, «10 Mythes De L’innovation Mis En Pièces Par Scott Berkun»