2015/03/12

Recuperação



Wagner J. Santos


«Sobre a Saúde!

»Pelo princípio constitucional, esse sistema deve garantir a todos os brasileiros, sem quaisquer formas de distinção, o acesso a uma cobertura integral. Porém, o SUS ainda não conseguiu articular universalidade, integralidade e equidade conforme foi criado, com a Constituição de 1988. É bem verdade que o atendimento na rede pública, legalmente garantido a qualquer pessoa, é oferecido sem que se tenha de pagar. Porém, nem todos os brasileiros têm serviço de saúde no município em que moram; nem todas as unidades têm profissionais; e consultas, principalmente com especialistas, assim como exames, cirurgias e demais procedimentos podem demorar meses para ocorrer. Apesar do sucesso do SUS em muitas áreas, o atendimento geralmente – e não em todos os casos, diga-se de passagem – está distante do ideal em termos de qualidade e resolutividade – a capacidade de resolver o problema de saúde

»Entre os 2.418 entrevistados pelo Datafolha, das cinco regiões do país, pelo menos 30% aguardam ou têm familiares aguardando marcação de consulta ou realização de procedimento no SUS. Apenas 24% dos entrevistados conseguiram realizar consultas, exames, internações ou cirurgias em menos de um mês. Do total, 47% esperam até seis meses e 29% aguardam há mais de seis meses, sendo que pelo menos metade desse grupo está na fila há mais de um ano.

»Além de deixarem de tratar o SUS como um projeto político vivo, exigente de questionamentos, articulações e inovações técnicas e institucionais, não propõem compromisso para enfrentar as necessidades e as demandas de saúde. Os candidatos também são evasivos quanto ao financiamento, que é mencionado apenas nos programas do tucano Aécio Neves. Eduardo Campos, morto em agosto, também mencionava. Entretanto, ninguém assume o compromisso de elevar os investimentos no setor e de reduzir os benefícios à saúde privada.

»A vinculação dos 10% da receita bruta, mote do Saúde + 10, aparece apenas nos planos de Aécio Neves e de Marina Silva. O de Dilma Rousseff não diz nada a respeito. E nenhum dos programas, entretanto, aponta para propostas de novas fontes de recursos. O tucano Aécio, porém, sinaliza a “implementação do sistema de Parcerias Público-Privadas Sociais – criando meios para que o Estado e o setor privado possam financiar projetos e programas sociais e ambientais de interesse público."

»E a candidata do PSB se limita a afirmar que a injeção orçamentária virá do crescimento econômico, dos ganhos de eficiência e de uma decisão política de dar prioridade à saúde no orçamento geral da União. Forte indício de que o SUS, para sobreviver, precisa de UTI urgente.

»Enfim fiz esse video pra Provar que a Saúde Publica esta uma porcaria,graças a Deus eu só quebrei o tornozelo e teria que esperar dois meses pra fazer uma fisioterapia, mas imagina quantas pessoas estão em situaçoes piores, hoje em dia pra você ser atendido rapido no sistema de saúde publica ,você tem que ter conhecimento com politicos,etc e tal Infelizmente é assim que funciona nesse Pais, faz parte do Sistema.

»Agora me responde uma coisa...

»Quem você acha que sustenta tudo isso?

ȃ e custa caro!,Muito Caro!

»O Sistema é muito maior do que eu pensava,Não é a toa que acontece tanto escandalo em Brasilia que entra Governo,sai Governo e a corrupção continua,pra mudar as coisas (e se mudar)

»Vai Demorar muito tempo...

»Então enquanto isso não acontece nos vamos seguindo com nossa fé na força divina e a nossa força de vontade de seguir em frente!»





Nenhum comentário:

Postar um comentário