2016/09/21

Patricia Santin (@patysantin): «Inovação Social de dentro para fora»



Curadoria Caos Focado






«O que faz uma organização ser boa em termos de inovação social?

»Tenho certeza que muita gente ao se deparar com essa pergunta pensa logo em recursos financeiros e tecnológicos, pois é o nosso modelo mental. Entretanto, inovação social não é apenas um novo produto ou serviço, mais é em última instância mudar crenças subjacentes e as relações que estruturam nossa vida social. É transformar indivíduos, comunidades e organizações.

»Então, como as organizações podem manter a capacidade constante de dar respostas inovadoras para problemas sociais cada vez mais complexos? Uma organização internacional, chamada Organization Unbound, tem estudado isso nos últimos 10 anos, e esse texto aqui (que por sinal é fantástico), me inspirou a escrever o artigo. As pesquisas demonstram que a habilidade das organizações olharem para dentro delas mesmas é uma das mais importantes fontes para a inovação social.

»A essa altura vocês devem estar se perguntando, mais como? Olhar para dentro se quero resolver um problema fora…. A questão é que não existe “fora” quando se trata de um problema social, já que esses problemas não respeitam fronteiras organizacionais. Então quando discutimos um problema que aparentemente está “fora”, certamente ele também está presente, de alguma maneira, em nossa organização!

»As organizações socialmente inovadoras estudadas praticam o que os pesquisadores chamam de “inscaping” (uma palavra que vem da literatura inglesa, difícil de traduzir para o português) que eu traduzirei como “praticar a essência”: apreciar as experiências interiores dos membros da organização durante o curso normal de trabalho diário. Como “experiências interiores” se entende tudo o que compõe nossa vida interior : idéias e intuições , aspirações e medos, valores e memórias.

»A essa altura sei que tudo isso pode soar muito “shalala”, mais na verdade é algo bastante racional. A prática da “essência” contribui para que as pessoas vejam a organização como ela realmente é, e não como gostariam que fosse, desafia as pessoas continuamente a se envolverem com elas mesmas e com o ambiente de trabalho de novas maneiras. É quase que um motor para a inovação.

»Existem duas formas de “praticar a essência”: “trabalhando a essência” e “vivendo a essência”. A primeira se relaciona com apreciação dos aspectos técnicos do trabalho, dos projetos e da organização. A segunda com uma apreciação no campo dos valores, dos desafios e das aspirações das pessoas e das organizações onde elas estão.

»As organizações que se utilizam mais da prática “trabalhando a essência” são definidas como “Catalíticas” – são mais inovadoras tecnicamente do que socialmente, por isso têm dificuldade de medir o real impacto social de suas inovações. Já as que praticam mais o “vivendo a essência” são chamada de “Comunais” – diferentemente das catalíticas , elas capacitam as pessoas para lidar internamente com grandes questões sociais, e se esforçam para manter uma cultura de inovação, mais isso exige abertura relacional e intelectual, o que muito difícil para as organizações comunais sustentarem.

»As organizações que combinam as práticas “trabalhando a essência” e “vivendo a essência” são chamadas de “Organizações Transformadoras” – são uma expressão viva da mudança que seus membros buscam e consequentemente , tem uma notável capacidade de produzir inovações sociais. Para quem ficou curioso, seguem os exemplos da Santropol Roulant e da PLAN, organizações reconhecidas por suas inovações sociais.

»Muitas organizações (de todos os tipos) se definem como inovadoras, democráticas, colaborativas mais infelizmente ficam só discurso. Portanto, seja Catalítica, Comunal ou Transformadora é importante que as organizações não caiam nessa armadilha comum: ter um discurso diferente da prática. E sobre esse último tópico tem esse vídeo sensacional, também da Unbound, que eu super recomendo.

»E você, em que tipo de organização trabalha? Compartilhe com a gente e até a próxima coluna!»





Tipologias de inovação
Leituras temáticas

Nenhum comentário:

Postar um comentário